04 julho 2010

Eu e o meu nome

Muita gente sabe que, ao nos tornarmos mães, perdemos um pouco da individualidade. O que pouca gente sabe é que quando somos mãe de quatro filhos perdemos até o nome... e o sobrenome. Nome e sobrenome se transformam em detalhes fúteis, simples adereços. Do quarto filho em diante nosso nome automaticamente muda para "A MÃE DOS QUATRO".

Querem alguns exemplos?

Em festas na casa de amigos ao ser apresentada: "Fulana, esta é A MÃE DOS QUATRO de quem eu te falei!".

No elevador do prédio quando aperto o 11o andar e tem alguém junto: "Ahhh!!! Você que é A MÃE DOS QUATRO?".

Na loja de sapatos (pra quem se esqueceu clique aqui), o gerente chama seu melhor vendedor para me atender: "Fulano, atende ela direitinho, ela é A MÃE DOS QUATRO".

Na saída da festa infantil, ao receber a lembrancinha do aniversariante (que deveria ser uma por família), a mocinha diz: Ah! A FAMÍLIA DOS QUATRO FILHOS (olha nosso sobrenome indo por água abaixo, completamente desnecessário!), fui autorizada a dar mais que uma lembrancinha". Ufa!!! Obrigada!

E por aí continua, em muitas outras ocasiões. E quando estou de bom humor e me nomeiam assim até brinco: "Sou eu sim! Quer um autógrafo?". Realmente não acho ruim ser A MÃE DOS QUATRO, pelo contrário, tenho um orgulho danado...(apesar de ter um nome também).

O que me deixa realmente brava são aquelas pessoas que, ao saberem o número de filhos que EU  e MEU MARIDO quisemos ter, nos olham com desaprovação, indignação e compadecimento, como se fossemos irresponsáveis e infelizes. Estes eu realmente tenho vontade de mandar à PIIII.

E foi assim que recebi a visita de uma amiga em casa e, no meio da confusão de crianças, mamadeiras e brigas (não é meio que óbvio que seria assim??), ela solta: "Meu Deus! Isto não é vida, como é que você suporta?".
E respondi: "Eu não SUPORTO, eu DESFRUTO! Porque você não volta lá para o seu paraíso solitário e sem filhos??Sua egoísta!!". Tudo bem, tudo bem, esta última parte  só consegui falar depois que ela foi embora.

E numa festa também, fui apresentada para um casal como  A MÃE DOS QUATRO e o cara disse: "Que horror! Não quero nem conhecer!". A esposa, para amenizar o mal estar da situação falou que se tivesse muito dinheiro, mais muuuiiiito dinheiro mesmo (ela era daquele tipo "explosão do alfabeto", com letras penduradas pelo corpo todo) ela teria 4 filhos, pararia de trabalhar e seria SÓ MÃE. O infeliz do marido deveria ter ficado quieto, mas respondeu: "Só mãe mesmo! Nem esposa seria porque eu daria o fora!".

E eu, sempre tão eloqüente, não tive resposta pra isto. Deixei passar em branco, virei as costas e saí.
01 julho 2010
Convite: passar um dia comigo
Objetivo: Observar como a vida de mãe não é mole mas é boa
Efeitos colaterais: chegar ao final do dia com o corpo dolorido, com fome, com a bexiga cheia, descabelada e feliz da vida!

Se preferir, você pode optar pela visita virtual, bem mais cômoda, sentadinha aí no conforto da sua poltroninha (que mulher não tem uma poltroninha preferida?? Eu tenho duas!!).

Vamos começar? Coragem!!! Respirem fundo...1, 2 3 e já!

Acordei (benditas férias) e olhei o relógio: 8 horas. Susto! O que aconteceu com o Davi? Por que ele não acordou durante à noite? Afogou? Desmaiou? Se perdeu debaixo dos cobertores? Saio correndo. tropeçando, chego no berço e ele dorme como um anjo... Milagre! É a primeira noite que ele dormiu inteira. Hummm... este dia vai ser bom!

Vou para a cozinha tomar café com meu marido e as crianças começam a acordar: primeiro o Pedro, depois Clara e Manu. Não tem nada gostoso para comer no café, as crianças ficam sentadas, esperando alguma coisa boa chegar no pratinho, então, me lembro que comprei cenouras orgânicas para fazer um bolo. Chamo a criançada para a cozinha, descasco a cenoura, a Manu unta a forma e o Pedro pilota o liquidificador até que...cadê o óleo? Não tem óleo e eu me nego a colocar óleo de soja por cima das minhas cenouras orgânicas. Peço para minha funcionária ir buscar o óleo de canola ou girassol no mercadinho, abro a bolsa e...me esqueço que me esqueci de sacar algum dinheiro quando fui ao banco ontem. Tudo bem, nada de stress...vai o óleo de soja mesmo (eca!). Agora, hora da farinha...cadê a farinha? Ah...a babá usou a que tinha sábado...Emputeci! Sabem o que é isso? Com o auxílio do mau humor da TPM saí gritando, xingando, toda nervosinha comigo mesma porque ainda não tinha tomado a devida coragem para fazer as compras do mês. Respiro fundo, guardo a mistura batida do liquidificador na geladeira e vou me arrumar para ir ao mercado. E ao banco. Antes de chegar ao meu quarto ouço o chorinho do Davi, vou pega-lo no berço e ele está daquele jeito que criança acorda quando dorme a noite  inteira: cagado-mijado-molhado. Começo a troca-lo (ele é fofo demaaaaaais!) e ouço a babá chegando. Ué! Por que será que ela chegou mais cedo? Ela me vê de pijama e me pergunta se não vou levar a Clara ao dentista. Putz! O dentista da Clara! Largo o Davi, grito para a Clara se arrumar, me troco voando e chegamos na consulta sem nenhum minuto de atraso (outro milagre). Durante a consulta meu marido me telefona e diz que a Bisa ligou às 7.30h e que está pronta para passar o dia lá em casa. Acaba a consulta, vou pegar a Bisa, aproveito para pegar umas orquídeas doentinhas e trazer para a UTI do meu orquidário,  ensino à empregada como se cuida de orquídeas e voltamos para casa. No caminho passo bem em frente à loja que faz estrado de cama e eu estou precisando de um estrado novo para a cama da chácara; não custa dar uma paradinha né? Combino a entrega do estrado, entro no carro e continuo a caminho de casa até me lembrar que as crianças precisam de cartolina e giz de cera. Paro na papelaria, compro tudo e algo mais e ... caminho da roça. A Clara me lembra que terça-feira é dia de comprar figurinha das Princesas. Mais uma parada na banca. Um outra paradinha no açougue para comprar bisteca suína para a Bisa almoçar (lá na casa dela é proibido!) e, finalmente, chego em casa! Já está quase na hora do almoço, a babá está terminando o almoço das crianças e a empregada está fazendo faxina na sala porque meu sofá novo vai chegar e eu quero tudo limpinho. Olhando bem, as cortinas estão bem  sujas...pego a escada, tiro as cortinas, pego mais alguns edredons e cobertores que estavam esperando para serem lavados e separo tudo para ir à lavanderia.  Na hora de lavar a varanda, a empregada implora uma vassoura nova, um rodo e uma mangueira - itens que vem me solicitando regularmente desde sua contratação. Resolvo, então, ir compra os troços aqui pertinho. Antes de sair, tempero as bistecas da Bisa. Volto para casa e vou fritar as bistecas da Bisa e fazer a (o?) couve. Quando me sento na mesa...não tenho nem fome...juro! Como uma saladinha e ouço o Davi acordar. Vou pega-lo e dou almoço para ele (ele é fofo demais!). Enquanto isso as funcionárias almoçam. Logo depois vou contar histórinha para o Pedro no quarto e faze-lo dar o cochilo da tarde. Ai que vontade que dá de dormir também! Mas me lembro da lavanderia e encho o carro de cobertores, edredons e cortinas. Primeira parada na lavanderia e depois, deixo 3 computadores para arrumar num cara lá perto (que me diz que meus computadores são lixo eletrônico). Quando chego em casa o Davi está chorando porque de tão ressecado não consegue fazer cocô. Me acalmo, me lavo e vou fazer Shantala nele até ele conseguir fazer algumas bolinhas. Dou banho (ele é muuuuiiito fofo!) e ligo para a homeopata, que receita um remedinho. Quase 18 horas e ligo para a farmácia do meu primo fazer a jato as gotinhas. Ele faz e eu vou buscar. Levo a Bisa de volta para a casa dela. Chego em casa e parece que vai dar tempo de tomar um banho antes da babá ir embora. Pura ilusão, pois ela me avisa que o leite do Davi acabou (não falei que é melhor tomar coragem logo de uma vez e ir às compras?). Saio de novo, compro o leite, volto, termino de dar o jantar para as crianças, brincar com eles um pouco, dar  o plus da homeopatia para o Davi de 5 em 5 minutos até esvaziar o seu intestino e quando percebo já são 10 horas. Meu marido chega (finalmente!), coloco as crianças na cama, depois de contar histórinhas, claro, continuo dando as gotinhas do Davi e depois de uns 4 cocôs ele finalmente cai no sono. Vou fazer um chazinho para mim e vejo no relógio que hoje não é mais hoje, hoje foi ontem: já é 1 e meia da manhã. Todos dormem...e eu tomo chá, tomo banho e vou dormir...pelo menos por algumas horinhas...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Studio May Ishii